ANTÔNIO DE PÁDUA CULPA OMISSÃO DO PODER PÚBLICO PELO ALTO ÍNDICE DE VIOLÊNCIA EM NOVA IGUAÇU - Correio da Lavoura

Últimas notícias

17 de jul de 2019

ANTÔNIO DE PÁDUA CULPA OMISSÃO DO PODER PÚBLICO PELO ALTO ÍNDICE DE VIOLÊNCIA EM NOVA IGUAÇU

Por Kátia Cavalcante

Insegurança, medo e perigo, é dessa maneira que a população iguaçuana tem vivido o seu dia a dia. Sair de madrugada ou a qualquer hora para trabalhar passou a ser desafio para os moradores da cidade de Nova Iguaçu que moram no centro e dos bairros como Miguel Couto, Vila de Cava, Austin, Cabuçu, Km 32, entre outros. A violência nesses bairros tem sido constante. Assaltos em carros particulares, ônibus, roubos de cargas no Arco Metropolitano e na Dutra (próximo ao Posto 13), na Via Light, transversal com a Rua Otávio Tarquino, Nilo Peçanha, Dr. Barros Júnior, Cel. Francisco Soares, Dom Walmor. A população grita pela paz! Cadê o Poder Público? 

Para falar sobre a violência, a reportagem do CL esteve no Fórum de Nova Iguaçu, no Gabinete Itinerante da OAB Fórum Estadual/Varas Cíveis (1ª Subseção-Nova Iguaçu/Mesquita) e entrevistou o vice-presidente Antônio de Pádua Won-Held com a seguinte pergunta: Como combater a violência urbana na cidade de Nova Iguaçu? 

“O que falta é a atuação do Poder Público na segurança pública, saúde, educação que é a base de tudo. A omissão do Poder Público está gerando esse índice de violência. Nós, da OAB Nova Iguaçu/Mesquita, estamos com as prerrogativas de palestras nas escolas públicas da nossa região explicando a criminalização das drogas e que ela pode causar dependência química, e posteriormente as penalidades legais quando o menor é apreendido em unidades para menores infratores que são verdadeiras ‘masmorras’ com super lotação e alimentação precária. Estamos tentando incutir na cabeça dos alunos que o uso de drogas e o crime não compensa nunca”, falou Antônio de Pádua.

Segundo ele, foi montada uma comissão de diversidade de gênero. “Montamos uma comissão de diversidade de gênero, diversidade sexual, racial e a Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBTQ+) que engloba todas as orientações e identidades, sem se especificar em apenas uma delas. Inclusive estamos tendo um apoio da Prefeitura de Mesquita junto com a ‘Paulinha Única’, tendo inclusive admitido em seus quadros um guarda municipal ‘trans’ que através de palestra e com toda corporação mostra a igualdade de gênero. Pois a Baixada hoje, lidera o ranking de homicídios de transexuais”, comentou o vice-presidente da OAB. 

A violência não vem ocorrendo somente nas ruas acontece também dentro de casa. “Também estamos em conjunto com a Delegacia de Atendimento à Mulher (DEAM-Nova Iguaçu), para dar apoio jurídico às famílias e vítimas de violência contra mulher. Nova Iguaçu também liderava o índice de feminicídio que hoje, está sendo combatido pela delegada titular Mônica Areal (DEAM-Nova Iguaçu) com respaldo do juiz de Violência Doméstica, Dr. Otávio Chagas de Araújo Teixeira (Fórum de Nova Iguaçu) e a juíza da 7ª Vara Criminal de Mesquita, Dra. Cristiana Cordeiro de Faria, que vem combatendo exaustivamente a violência contra transexuais e intolerância racial e religiosa com o apoio do Decradi”, explicou Antônio de Pádua. 

Segundo ele, o delegado titular Gilberto Stivanello (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos e Intolerância-Decradi), vem fazendo uma ação em conjunto com a juíza. “A juíza trabalha com o apoio do Decradi e as pessoas podem procurar esta delegacia com plantão de 24h na Rua do Lavradio, 155, centro do Rio de Janeiro, o telefone 2333-3509”, ressaltou o vice-presidente. 

Um trabalho atuante contra a violência na cidade vem sendo realizado pelo 20º BPM de Mesquita. “O Tenente Coronel João Jacques Soares Busnello está fazendo um trabalho de visibilidade com as poucas viaturas que foram repassadas de contenção ao tráfico, tendo diminuído o roubo a pedestres e adjacências, sendo ele um comandante combativo, mas ao mesmo tempo humano. Toda primeira terça-feira do mês são realizadas na sede da OAB palestras com o Tenente Cel. João Jacques tendo como tema a violência na cidade. A OAB de Nova Iguaçu/Mesquita estará sempre presente ‘OAB Forte para Todos’, junto a população de Mesquita para atender no que for preciso e também junto com os seus cinco mil advogados associados”, concluiu o vice-presidente Antônio de Pádua OAB-Nova Iguaçu/Mesquita. 

Crédito - Kátia Cavalcante