Rainha da Primavera de 1934 - Correio da Lavoura

Últimas notícias

11 de out. de 2018

Rainha da Primavera de 1934


Patrocinado pela revista A Crítica, cujo diretor-proprietário era Avelino Martins de Azeredo, A Festa da Primavera de 1934 foi, de fato, um grande acontecimento social em Nova Iguaçu. É o que nos informa o programa assim definido pela Comissão de Senhoras Iguaçuanas que teve a responsabilidade de elaborá-lo, e cuja publicação coube ao órgão patrocinador do evento, em sua edição de 23 de setembro daquele ano. Ei-lo na íntegra:

“19 horas – Abertura da sessão pelo Prefeito Sebastião de Arruda Negreiros.

19h20m – Início da Rapsódia Artística, na seguinte ordem: I) “Canção da minha terra” pela consagrada soprano iguaçuana Deoclídia Amorim; II) “Tédio”, pela apreciada senhorita Maria Bastos; III) “Valsa do meu amor”, pelo cançonetista Nicanor Gonçalves Pereira; IV) Cânticos dos símbolos”, declamação da Professora Albertina Trigueiro; V) Neusa Telles, a mignon virtuose iguaçuana executará um motivo clássico; VI) Djalma S. Pinto – do rádio carioca, em números de sucesso, com acompanhamento de Adelino; VII) Meu Brasil, pela voz de Anita Alarcão. A Professora Brisabela Paladino acompanhará, ao piano, todos esses números.

20 horas – Coroação da Rainha da Primavera de Iguassú, Srta. Inayá Mello e diademação das princesas de sua corte; II) Saudação às eleitas por Jarbas Cordeiro.

20h30m – Entrada solene das eleitas, na sede do Filhos de Iguassú, transformada, nesses dias em Palácio das Festas; II) O talentoso escritor João Guimarães, autor de tantos poemas, de um dos balcões do Palácio dirigirá uma saudação à Rainha e sua corte.

22 horas – Baile a rigor”.
Na foto acima, feita logo após a coroação na sede do Filhos de Iguassú, vemos a Rainha da Primavera Inayá Mello (sentada), tendo à sua esquerda as princesas Laura Chambarelli (4º lugar) e Eulina Chambarelli (2º lugar), e à direita, Maria Aparecida Alves (3º lugar) e Ruth Matos (5º lugar). Atrás da Rainha vemos o então Prefeito Sebastião de Arruda Negreiros (de terno escuro) e Avelino Martins de Azeredo (de terno branco).
 
(Foto do arquivo do Correio da Lavoura)