RODA-HANS: PROJETO INÉDITO NO ESTADO DE COMBATE À HANSENÍASE TERMINA NESTA SEXTA-FEIRA - Correio da Lavoura

Últimas notícias

26 de set de 2019

RODA-HANS: PROJETO INÉDITO NO ESTADO DE COMBATE À HANSENÍASE TERMINA NESTA SEXTA-FEIRA

Objetivo da ação é identificar casos da doença, 
capacitar profissionais e fornecer informações para combater o 
preconceito. Última cidade a receber a carreta é Angra dos Reis


Um projeto inédito no estado de combate a hanseníase percorreu o interior do Rio e mudou a vida de muita gente. Pioneiro no estado, o Roda-Hans chega ao fim na próxima sexta-feira, dia 27, após passar por 19 cidades em nove regiões administrativas.

Angra dos Reis é o último município a receber a programação. A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria de Estado de Saúde (SES) e o Ministério da Saúde. Ao longo de dois meses, o Roda-Hans atendeu 2.506 pessoas e diagnosticou 43 novos casos. E ainda capacitou 788 profissionais de todas as regiões por onde a carreta com consultórios e laboratório a bordo passou.

Durante esse período, médicos e outros profissionais também encaminharam 31 pacientes com suspeita de hanseníase para unidades de saúde. Dos 43 casos confirmados, seis foram registrados em pessoas com idade inferior a 15 anos. Ao todo também foram realizados 36 baciloscopias (exames complementares). O objetivo do projeto era a capacitação em serviços na rede de atenção básica da hanseníase, foco no diagnóstico precoce, tratamento e prevenção às incapacidades.

A primeira parada do veículo ocorreu na capital fluminense, no dia 5 de agosto, em Irajá, bairro da Zona Norte carioca. A data marcava o Dia Estadual de Conscientização, Mobilização e Combate à Hanseníase. O Roda-Hans contou ainda com a realização de consultas dermatológicas e equipe que capacitou profissionais de saúde dos municípios visando ao diagnóstico precoce e tratamento. Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, assistentes sociais, dentistas, entre outros profissionais, participam das oficinas de capacitação oferecidas pela SES e pelo Ministério da Saúde.

O secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, destacou que a capacitação é essencial porque possibilita, ao mesmo tempo, a qualificação dos profissionais e a realização de diagnósticos precoces nestas grandes campanhas:

"Isso faz com que profissionais de saúde dos municípios realizem as atividades em seus territórios de atuação. Com isso, equipes que atuam em clínicas da família, postos de saúde e outras unidades de atenção primária estarão devidamente capacitadas para identificar sinais e sintomas da hanseníase, evitando sequelas decorrentes do diagnóstico tardio da doença", afirmou. 

Antes de a carreta ganhar estradas que cortam o estado, estavam em tratamento 1.305 pacientes no Rio de Janeiro. Desse total, 16% apresentam grau de incapacidade física. Ao identificar um caso da doença, é necessário realizar uma investigação epidemiológica da cadeia de transmissão da hanseníase, examinando qualquer pessoa que teve contato íntimo e prolongado com o paciente, como familiares e amigos.

Esse trabalho será feito pelos municípios e acompanhado, durante três meses, pela equipe da Secretaria de Estado de Saúde, em parceria com instituições de ensino e pesquisa.Além do Ministério da Saúde, o projeto conta com a parceria da Fiocruz, UFRJ, Sociedade Brasileira de Dermatologia do Rio de Janeiro, Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) e da Novartis, além do apoio do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Rio de Janeiro (Cosems RJ).

Fotos - Maurício Bazílio