TERREIROS DE CANDOMBLÉS DISCUTEM SOBRE TOMBAMENTO EM SEMINÁRIO NA UFRRJ EM NOVA IGUAÇU - Correio da Lavoura

Últimas notícias

4 de abr de 2019

TERREIROS DE CANDOMBLÉS DISCUTEM SOBRE TOMBAMENTO EM SEMINÁRIO NA UFRRJ EM NOVA IGUAÇU


Por Gabriel da Silva Vidal Cid



Na última sexta-feira, 29 de março aconteceu no Instituto Multidisciplinar, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), em Nova Iguaçu, o Primeiro Seminário Tombamento de Terreiros no Rio de Janeiro: diálogos, perspectivas e demandas. O Seminário fez parte das atividades desenvolvidas no âmbito da parceria estabelecida entre a Universidade e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Esta parceria busca produzir subsídios para a implementação de políticas públicas de preservação de terreiros de candomblé no Estado do Rio de Janeiro, em especial na Baixada Fluminense.
Reuniram-se na Universidade lideranças de quatro terreiros de candomblé do Rio de Janeiro que já solicitaram o tombamento, representantes do IPHAN e a equipe de professores, pesquisadores e estudantes da UFRRJ, além de especialistas no tema convidados, com destaque para a palestrante Carla Ferreira Nigueira, Makota do Terreiro Bate Folha, de Salvador, Bahia.
Os representantes dos terreiros Asé Nassó Oká Ilê Osun, de Nova Iguaçu, Santo Antônio dos Pobres – Ilê Ogum Megegê Asé Baru Lepé, de Duque de Caxias, Culto Corte Real da Nação de Ijexá - Ilê Ti Osum Omi Iya Iiya Oba Ti òdô Ti Ogum Alé, de Belford Roxo, eIlê Omulu Oxum, de São João de Meriti, trouxeram para o evento um pouco de sua história e apresentaram suas perspectivas sobre preservação. Por outro lado, os representantes do IPHAN trouxeram algumas informações sobre como se dá um processo de tombamento e outros instrumentos existentes. Está projetado outro seminário semelhante para o segundo semestre, buscando o aprofundamento dos debates. A equipe da Universidade, coordenada pelo professor doutor Otair Fernandes de Oliveira (PPGPaCS/UFRRJ), pretende avançar no diálogo com os terreiros visando colaborar para um processo de tombamento que respeite e valorize os fundamentos civilizatórios africanos e o protagonismo dos terreiros em manter, ensinar e preservar esses fundamentos entendidos como patrimônio da cultura afro-brasileira. O Seminário contou ainda com a performance de Iya Lucia de Oxum e da Orquestra de Atabaques Alabê FunFun.

Fotos de Oscar Liberal/IPHAN